segunda-feira, 26 de maio de 2014

O Prisioneiro do Céu (Carlos Ruiz Zafón)

 
Segundo a sinopse deste livro, há nele uma promessa de felicidade. Eu acrescento que em qualquer livro de Zafón há promessas de felicidade. São livros com livros lá dentro, que por sua vez narram histórias repletas de aventuras que largam em si fios e mais fios de suspense, intriga, receios, aventuras e desventuras entre amigos fiéis que procuram verdades inadiáveis. Essas,  capazes de mudar o rumo de tudo, num aqui e agora urgente, e quase aflito, ao olho atento de um leitor incapaz de se desmaterializar de uma história em que quase acredita já fazer um pouco parte.
São esses fios interligados numa mestria sem par que dão promessa certa de felicidade aos livros de Zafón. Caminhos de Barcelona repletos de mistérios, amizade e literatura: uma junção perfeita e conhecida desde ambiente tão prometedor em que as histórias são aguardadas com ansiedade.
Depois de "A Sombra do Vento" e o "O Jogo do Anjo", eis que o autor presenteia o público com este "Prisioneiro do Céu", um livro com um ritmo alucinante que nos conduz novamente a esses jogos cujo anjo tem a resposta e a tantos cenários já conhecidos: a lugares em nada novos mas que para Daniel Sempere constituem sempre um novo começar, um novo abrir de histórias prontas a ditar novos rumos e novas aventuras.
 
Boas leituras!

4 comentários:

Kel disse...

Zafón é um escritor brilhante! Li a Marina e A Sombra do Vento e estou mortinha por ler mais alguma coisa dele.
Adorei a tua opinião!
Beijinhos

Denise disse...

:)
Obrigada!
Sim, Zafón é incrível mesmo.
Também já li «Marina», a «A Sombra do Vento» e o «Jogo do Anjo». Este «Prisioneiro do Céu» é mesmo muito bom, um retorno espetacular ao mundo do Daniel Sempere e ao Cemitério dos Livros Esquecidos.

Tenho ainda na estante para ler «O Palácio da Meia-Noite», que também faz parte de uma trilogia: Neblina. Gostei muito do primeiro «O Príncipe da Neblina».

Como dizes, brilhante! ;)

Anónimo disse...

Adorei de paixão A sombra do vento. Infelizmente, os outros livros do autor souberam-me a mais do mesmo.

O teu blogue é muito bom. Continua!
Bjos,
Susana.

Denise disse...

Olá Susana

Obrigada!:)
Pois é, Zafón tem sempre aquela envolvência. Pessoalmente, ainda não me fartei... Eheheh

Volta sempre!

Beijinhos e boas leituras