terça-feira, 12 de agosto de 2014

O Segredo do Meu Marido (Liane Moriarty)

Comprei este livro num daqueles momentos em que precisava de um livro leve, leve em calorias intelectuais, para ler aqui e agora, numa tarde, sem grandes esforços. E pronto.
Não podia estar mais errada. Bem, pelo menos estava certa numa coisa. Ao pegarem neste livro, tenham a certeza que não vão descansar enquanto não o terminarem. É absolutamente viciante, intrigante, conduzido com uma mestria tal que deixa qualquer leitor (e aqui, entenda-se, até o menos convencido inicialmente) rendido sem grandes batalhas.
Aqui nem se põe em causa a qualidade da escrita, porque o enredo em si supera tudo, bem como a temática que vem a lume: o poder de um segredo.
Tudo começa pela descoberta de uma carta para ser lida após a morte do marido de Cecelia. No entanto, Cecelia encontra a carta com o marido ainda vivo, abrindo-se desde logo um dilema moral: o que fazer? Desrespeitar a vontade do marido, abrindo e descobrindo a verdade ou não abrindo e convivendo, sabe-se lá até quando, com a dúvida do peso, ou não, de todo um segredo contido em folhas de papel.
Só aqui, o segredo em si, leva o leitor a esfolhear desenfreadamente o livro para tentar perceber, e acompanhar, a jornada de Cecelia e as suas intenções, as suas ações e receios morais. Abrir ou não abrir. Considerar ou não, as vontades de um marido um tanto ou quanto desorganizado em assuntos, supostamente, tão importantes. Tão capazes de mudar cursos de vida. Tão irremediavelmente fortes nessa corrente de despertar tempos antigos e encruzilhadas que foram iniciadas lá longe, mas com desfechos no aqui e agora.
Tudo se centra, assim, nesse segredo e como uma raiz de árvore, ele vai-se alastrando por dentro de cada um desses personagens, cada um destruído por si só, mas cada dia um pouco mais. Com o célebre "e se...?" 
É essa a grande questão que adorna este livro. Os segredos são gavetas que não se querem abertas, por vezes. Mas ...mesmo fechadas, fazem das suas. Eis a questão.
Ficamos em qual dos lados: em abrir ou fechar os segredos que nos assolam a alma?
 
Em cada um dos lados, existem consequências devastadoras...
 
Este livro é mais um daqueles casos que me obrigam a encarar os preconceitos perante os meus julgamentos fáceis sobre este ou aquele livro.
Aparentemente leve, este é um livro com uma temática surpreendente.
 
A reter.
 
 
Boas leituras!
 

2 comentários:

Isabel Duarte disse...

Que pena não ter visto este post antes das férias, única época em que consigo ler um livro de uma ponta a outra sem interferências! Porque me parece extremamente prometedor! Mesmo assim vou tentar ainda antes da avalanche da rentrée!

Denise disse...

Olá Isabel

Pena realmente mas espero que ainda tenhas oportunidade de o ler.
Não dá para parar, um livro verdadeiramente viciante :)

Beijinhos e boas leituras