quinta-feira, 28 de julho de 2011

Ensaio sobre a Cegueira (José Saramago)

Eu sou uma puta, o sexo é o meu modo de subsistência. Escolhido por mim. Gosto de coisas fáceis e pouco exigentes. Fiquei cega, um manto branco rondou os meus olhos, como o esperma que me salta diariamente para a boca.
Agora vejo tão bem! Tenho sido a Maria de Paulo Coelho, tenho sido os míseros 11 minutos de uns cabrões quaisquer…

Sou um velho cheio de amargura. O passado esconde coisas que agora, uma cegueira branca me faz ver tão intensamente.
Eu sou um médico dedicado ao trabalho. Um manto branco cercou-me os olhos, incompreensivelmente…


São muitas as vezes em que de olhos fechados, tudo vemos.
A vida parece sempre difícil, incompreensível, porque vemos aquilo que parece ser demais, tanta coisa! Tantos e árduos caminhos...
 Apagam-se os olhos e, afinal, éramos tão afortunados!

Nota: Um dos livros da minha vida. José Saramago, eternamente adorado.


Sem comentários: