quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

O Lado Selvagem (Jon Krakauer)

Fugir. Pernas e pés numa sintonia apaixonada. E como o pulsar de um coração aflito, percorrem caminhos desconhecidos na esperança de se reencontrarem. Reencontrar o quê? Não se sabe, mas acredito que essa incerteza não faz parte do percurso. Quereres encontrar-te onde mais ninguém te procura, não é? Como se os risos, sorrisos, comentários vindos de bocas conhecidas infestassem todo o ar e te impedissem, assim, o crescimento da alma...
Uma sintonia apaixonada que te leva para longe, e basta. Poderiam chamar-te egoísta, por ires assim, sem dizeres. Há um apelo, não é? Há o apelo do coração, que triste, te pede que vás. Vazio, pede-te que o preenchas, para lá do conforto das quatro paredes de um quarto adolescente.
Vai. Vai, vá...
Mas por favor, que não seja para me encontrares.
Um apelo do coração vem de ti, para ti. Nunca para mim.
Para ninguém.
Para ti, apenas.


Ao som de: ...



Sem comentários: