segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Tive de o matar (Romana Petri)

Os teus olhos, brilhantes e redondos, sempre estiveram certos da magia que fariam no meu corpo, na minha mente, enfim, neste cérebro feminino ... pensavas tu.
O teu corpo, qual escultura por ti feita, sempre certo da magia que faria no meu, entrelaçado no meu, na minha mente em dias cinzentos dando-lhe a cor que faltava, enfim, a cor necessária a este cérebro feminino ... pensavas tu.
O teu amor às pequenas mulheres sempre esteve certo da minha indiferença. Indiferença ... neste meu cérebro pequeno... e feminino.

Não confies em mim.
Nunca confies em mim.
Nunca confies numa mulher.





Dedicado aos homens que erradamente se julgam como tal, e que merecem um bom tiro no intelecto ... ver se acorda! ;)


Ao som de: 30H!3 "Don't trust ME"



Sem comentários: