terça-feira, 31 de janeiro de 2012

a máquina de fazer espanhóis (valter hugo mãe)




Se as consequências dos acontecimentos que não se realizam são inexistentes, qual é a razão, o motivo, de passarmos tanto do nosso presente dentro de um passado, supostamente, insignificante?
Não me façam acreditar que aquilo que não se realiza, que as condutas perdidas num solo de afectos mortos à nascença - porque assim tinha de ser - não é real.

O coração diz que é!

Ao som de: The Script "Science and Faith"


 

Sem comentários: