segunda-feira, 18 de março de 2013

O Homem que Plantava Árvores (Jean Giono)


 
Eu compro-te um daqueles chapéus bonitos para usares, de Verão ou de Inverno, e podemos partir quando quiseres para um lugar onde não há porquês nem motivos para ficar, ou partir.
Há simplesmente um lugar. Despovoado. Sem nada. Apenas povoado pelo vazio de quem ficou. De quem achou a sua presença valiosa demais para tamanha solidão.
Eu compro-te um daqueles chapéus bonitos, e vou contigo. Acompanho-te por esse campo desnutrido onde sonhas plantar vida, só porque sim. Porque o coração vazio pede. Os corações vazios exigem um trabalho que acalme a dor que os afoga.
Eu compro-te um daqueles chapéus bonitos, e vou contigo.
Vamos plantar árvores, vamos plantar vida por aí.
Vamos criar um sonho.
Vamos encher o coração com alguma coisa.
 
Um livro pequeno com a simplicidade de uma mensagem que se perpetua na mente e no coração.
Por isso, um pequeno grande livro.
 
Ao som de: The Lumineers "Ho Hey"
 
 
www.wook.pt: Inspirado em acontecimentos verdadeiros, traduzido em diversas línguas e largamente difundido pelo mundo inteiro, O Homem Que Plantava Árvores é uma história inesquecível sobre o poder que o ser humano tem de influenciar o mundo à sua volta.
Narra a vida de um homem e o seu esforço solitário, constante e paciente, para fazer do sítio onde vive um lugar especial.
Com as suas próprias mãos e uma generosidade sem limites, desconsiderando o tamanho dos obstáculos, faz, do nada, surgir uma floresta inteira - com um ecossistema rico e sustentável.
É um livro admirável que nos mostra como um homem humilde e insignificante aos olhos da sociedade, a viver longe do mundo e usando apenas os seus próprios meios, consegue reflorestar sozinho uma das regiões mais inóspitas e áridas de França.


Sem comentários: