quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Poesia nos bolsos

 
 
Assim me vi um dia a cair,
Da minha verdade, da minha loucura,
Dos meus fervorosos devaneios diurnos,
Cansado dos dias, enfastiado pela luz do sol,
- fui caindo, rumo à noite, rumo às sombras:
Uma única verdade
Me roubou toda a cor e me deixou sequioso:
- Ainda te recordas, ainda recordas, coração ardente,
Como nesse tempo tinhas sede? -
Ver-me assim banido
De tudo quanto é verdade!
Um mero louco! Um mero poeta!
 
 
 
 
Friedrich Nietzsche
Um mero louco! Um mero poeta!


Sem comentários: