quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Estante de Serviço #5




Ganância
_______
 
 A Pérola
John Steinbeck
 
 
O desejo de possuir mais do que realmente precisa - mais dinheiro, mais bens, mais poder - é uma estranha predileção. Porque com que objetivo compramos, colecionamos, juntamos? Se não precisar de uma coisa, como vai usá-la?
Um excesso de bens pode ter a mesma gravidade do que o excesso de peso; e ter mais dinheiro no banco do que aquilo que pode fazer com ele estragará a satisfação de trabalhar e poupar para ter um prazer duramente conquistado. Além disso, quando é que é suficiente? Porque a ganância não conhece fim e, quando a ganância se torna insaciável - conduzindo ao açambarcamento compulsivo, ao roubo e à fraude - sabemos que nos perdemos na sua busca sem sentido.
Steinbeck demonstra o pode que a ganância tem de destruir uma simples família no seu conto alegórico A Pérola. Kino e Juana têm o que ele retrata como uma vida perfeita: vivem numa cabana junto ao mar, onde Kino faz a sua vida mergulhando em busca de pérolas. Um dia, o seu bebé, Coyotito, é mordido por um escorpião e fica perigosamente doente. Incapaz de pagar o tratamento médico, Juana reza para o seu filho poder sobreviver. Milagrosamente, ele encontra exatamente a pérola das suas preces. Não só podem agora pagar a um médico para Coyotito como podem dar-lhe uma educação. Mas, logo que a pérola entra na posse de Kino, o seu mundo começa a desfazer-se. Outras pessoas ouvem falar da pérola e desejam-na para si. Em breve, Kino fará tudo para proteger a pérola. A sua mulher vê o potencial que existe para sarilhos e tenta convencer Kino a lançar de novo a pérola ao mar. Mas ele não quer largar o seu sonho de riqueza. Em pouco tempo são obrigados a deixar a sua aldeia e perderão mais do que imaginam.
 
 
 
Este livro é uma verdadeira pérola para revelar ao leitor o quanto as mais pequenas coisas da vida são, de facto, as mais desprezadas. No fim de contas, são aquelas às quais queremos sempre voltar num remorso envergonhado de quem, agora, fará tudo de uma forma completamente diferente. Como se tal fosse, ainda, possível.
Boas leituras.
 


Sem comentários: