sábado, 26 de abril de 2014

Livro Sem Ninguém (Pedro Guilherme-Moreira)

Este é um livro feito de coisas. O que as coisas dizem. E como o dizem.
Aparentemente sem ninguém, de uma rua deserta nada se poderia saber. No entanto, Pedro Guilherme-Moreira mostra precisamente o contrário.


"Cada pedaço de rua conta pequenas coisas todos os dias, tantas mais quanto a atenção com que se olha. Não há certezas e há uma incerteza: se o livro é mesmo sem ninguém." (p.23)
 
 
A rua do arco-celeste tem muita coisa para contar. Das suas coisas, muito há a saber. Da ausência das pessoas, há a presença das pequenas coisas e, essas, também contam coisas.
Histórias com intrigas, com traição e abandono, cortinas que se movimentam pela curiosidade alheia, óculos Ray-Ban com gotas de sangue têm muito a dizer, bem como a bengala, o xaile e os sapatos vermelhos da casa vermelha. A escola e os bolas arrumadas à sexta-feira, também. O carreiro, esse, esconde lágrimas anónimas, e mais histórias feitas a partir de coisas que se separam pela distância de quem as vem juntar na mesma dor.
Assim, nessa genialidade do ninguém, Pedro Guilherme-Moreira obriga o leitor a dar o melhor de si, e quando dá por ele, as pessoas surgem dentro das suas coisas, nessa pequena rua que de tantos nadas, vai recuperando das perdas e ganhando novos dias depois de um ano particularmente penoso.
 
                                                      Denise | 04 | 2014
 
"(...) Mas a rua já não era uma rua qualquer." (p.152)
 


Um livro sem ninguém, mas com muito para contar. Uma rua em que as coisas predominam em detrimento das pessoas. O engraçado é que fazem e falam tanto quanto elas. Muito bom.
 
Boas leituras.
 
Ao som de: "Magic" | Coldplay
 


8 comentários:

Kel disse...

Ontem vi este livro na Fnac e comprei-o. Uma história sem pessoas mas com muito para contar despertou-me mesmo o interesse. Estou a ver que fiz uma boa compra :)
Beijinhos e boas leituras

Denise disse...

Olá!

Sim, uma boa compra.
É um livro muito original que aparentemente não tendo personagens, tem muita história e muitas coisas para contar...:)

Beijinhos! Boas leituras!

Pedro Guilherme-Moreira disse...

Obrigado, Denise. E Kel. É muito bonito quando me cruzo com leitores dedicados e humildes. Para mim, O Livro sem ninguém, precisamente por exigir mais do leitor, e apesar de ter consciência da originalidade do modelo, tinha de se aproximar, em intensidade, e só com coisas, da intensidade do meu primeiro, A manhã do mundo. Porque o leitor está acima de qualquer experiência. Não é um page Turner, como o primeiro, porque só lentamente conseguimos mudar a nossa percepção do mundo e ler o nosso rasto nas coisas. Mas é uma planta que cresce num vaso e fala connosco :). Obrigado, uma vez mais. Pedro Guilherme-Moreira

Denise disse...

Obrigado pela visita :)

Um belo livro este, o seu.
«A Manhã do Mundo» é um daqueles que figura na minha lista para comprar em breve.

Pedro Guilherme-Moreira disse...

Desculpa o atraso na tréplica. :) Não te vais arrepender. Quem faz o caminho inverso, começou pelo mais difícil. A Manhã é mais clássico, mais romance, mais fácil de se gostar, mas também se lê mais depressa. :)

Numa de Letra disse...

Gostei.

http://numadeletra.com/livro-sem-ninguem-de-pedro-guilherme-58204

Denise disse...

Obrigada pela visita :)

Denise disse...
Este comentário foi removido pelo autor.