sábado, 7 de março de 2015

O Arranca Corações (Boris Vian)

Há muito tempo que este livro me perseguia. Isso mesmo. Perseguia-me como um tolo. Em cada promoção, aliciante, lá estava ele na primeira página a gritar "compra-me, pá!"...
Brincadeiras à parte, estou a dizer a verdade.
Boris Vian constava da minha lista há mais de 3 anos, para ler com urgência, dizia eu, de mim para mim. Foi agora, e ainda bem. Pois tenciono, rapidamente, voltar a mais e mais obras deste homem. Isto está a acontecer com muita frequência e penso, das duas três, ou ando muito apaixonada, com um coração muito oferecido, ou de facto ando com uma sorte literária sem precedentes (risos).
Tenho a certeza que quem já leu Boris Vian compartilha da opinião que estamos perante uma obra diferente, um enredo único criado pelo próprio autor, que inventa não só novos cenários como também, novas palavras.
Não preciso ser direta, mas obviamente «O Arranca Corações» arranca de mim os mais rasgados elogios.
Uma obra cinzenta e simultaneamente esperançosa, apesar de não parecer. Um enredo negro e que simultaneamente consegue irradiar uma esperança escondida a sete chaves. Uma história aparentemente solteira mas que se casa entre todos as personagens de uma aldeia caótica, sem valores, princípios, com corações deslocados. Que anseiam e esperam amor, talvez sem saberem verdadeiramente onde, ou como, o procurar. Sem conhecerem o tempo verbal pelo qual o devem invocar.
Um psiquiatra que de tanto ouvir, acaba vazio em si mesmo.Crianças que voam. Uma mãe sem amor, ama demais. Um marido que não suporta mais o lugar que lhe foi concedido.
De um modo verdadeiramente magistral, Boris Vian cria uma obra onde a fragilidade humana é evidenciada com um derradeiro humor entrelaçado com uma sensibilidade ímpar.

 
"O que vale é que temos sempre falta de qualquer coisa. Nesse caso, que seja, ao menos, qualquer coisa de importante." (p.89)
 
 
Magnífico.
 
Boas leituras.

 
Ao som de: "Ink" (Coldplay)

2 comentários:

desinquietacoes disse...

Oi, tudo bem?
estou aqui buscando essa obra loucamente e não a encontro. Vi uma peça dessa obra há uns 2 anos e foi fabuloso. Você poderia me dizer onde vc a comprou?

Abraços

Anónimo disse...

Comprei há anos a edição da Editorial Estampa de Lisboa (Coleção Livro B) num sebo no Brasil. Acho que em Portugal deve ser até mais fácil de encontrar, talvez ainda esteja no catálogo da Estampa. Boa sorte.