terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

David Copperfield (Charles Dickens)

Imaginem o seguinte: abrem um livro e de lá, instantaneamente, as suas personagens ganham vida e saltam, saltam para as nossas vidas e lá permanecem. Assim são as personagens, e livros, de Charles Dickens.
Com características linguísticas próprias, cada personagem tem o seu brilho, inquestionável, e permanente.
Em David Copperfield, o livro tido como preferido do autor, vivemos o trajecto coberto de aventuras de David e um conjunto arrebatador de personagens que, como tenho vindo a dizer, mesmo depois do livro fechado, arrendarão um espaço vitalício na nossa mente.
Desde o cruel padrasto Mr Murdstone, à delicada mãe, a Pegotty, a querida empregada, passando pelo carismático Micawber, e o amigo, mas pouco, Steerforth. Também Dora, o seu primeiro grande amor. E sem poder esquecer, jamais, Agnes. Esse anjo bom!
E tantos outros!
Hoje em que se celebra o seu 200º aniversário, sublinho aqui a magia deste brilhante escritor, que das suas histórias em papel, as transcende no coração de cada um. Mais do que isso, planta as suas histórias na mente e no coração, e por lá permanecem. Para sempre.



Sem comentários: