segunda-feira, 10 de abril de 2017

Palavras mal colocadas #5



 
Ou sou eu que sou muito romântica ou não percebo os "amo-te" ditos, aparentemente, sem pensar.
Haja corações grandes, mas vá, não exageremos.
Digo eu, que não sei nada.

3 comentários:

Messy Jessy disse...

Concordo contigo, "amo-te" é demasiado forte para se dizer em vão.

Beatriz disse...

Estou solidária, também não gosto nada. Mesmo nada, nada.
"Como quem cospe cascas de tremoços" :DDDDD Exactamente!

Creio que há demasiada gente a amar uma camisola, uns sapatos, um verniz, etc, etc.
Sempre que ouço alguém dizer que ama qualquer coisa, o que me vem à mente de forma imediata, quase um reflexo pavloviano, é a frase de Wilde no seu belíssimo "O Retrato de Dorian Gray":" “Nowadays people know the price of everything and the value of nothing.” Claro que o contexto é diferente, mas é assim que vejo o uso desta expressão. O Amor parece ter deixado de ser um sentimento para ser um verbo aplicável a qualquer coisa ou situação.
Beijinhos, Denise :)

Denise disse...

Messy Jessy :)
Muito forte para ser dito ao desbarato, não é?
Um beijinho e obrigada pela visita.

Beatriz!
Essas coisas de "amor" a camisolas, perfumes e outros que tais só reflete uma grande limitação ao nível de competências pessoais/sociais das pessoas. E obviamente que isto é a minha opinião, mas lamento muito que se ame tanto e se mostre, afinal, tão pouco. Ama-se, aparentemente, ao desbarato. Ama-se, aparentemente, enquanto o outro te dá aquilo que queres. Depois? Bom, depois vais ali amar outra coisa/pessoa que melhor se adapte. Quem muito bem fala desta questão é o Exmo. Sr. Bauman :)
A citação que colocas é também soberba para estas questões, vou usar!
Beijinho Beatriz