quinta-feira, 20 de setembro de 2012

O Quinto Filho (Doris Lessing)

As mulheres, depois de terem um filho, ganham uma mania estranha: a mania que cresceram. A mania que agora, agora sim, são verdadeiras mulheres. Melhores. Melhores mulheres. Há um certo instinto protector, há algo de estranhamente forte nelas, agora.
É verdade, os estudos também assim o dizem, inclusive, o próprio cérebro se reestrutura para que essa força protectora ganhe forma, das formas mais estranhas possíveis.
É, das formas mais estranhas possíveis. Porque... de facto, por vezes, é estranho a forma como uma mãe protege um filho. Este é mais um livro perturbador onde se sublinha essa protecção maternal, sem sombra de dúvida bela, mas paralelamente, assustadora. Levada a extremos?
Não sei, mas não deixa de ser arrepiante este quinto filho.
Mais arrepiante ainda, a protecção maternal.
E se, no entanto, parecia arrogante ao dizer que as mulheres ganham uma mania estranha ao serem mães, estava longe disso: é arrepiante no sentido em que nada importa, nada conta, nada faz sentido se a segurança de um filho, não mora em si mesma.
Custe o que custar. A quem custar.
 
Não diria que se trata de um livro macabro, mas quase. É perturbante.
 
 
www.wook.pt: Harriet e David Lovatt têm os mesmos anseios - fidelidade, amor, vida familiar e, acima de tudo, um lar. Teimosamente fora das modas dos anos 60, decidem casar e assentar as bases das suas vidas numa casa vitoriana. A princípio, parece o Paraíso. As crianças preenchem-lhes o quotidiano, e os familiares sentam-se à mesa da cozinha no Natal, desfrutando avidamente do calor humano da família Lovatt. Mas é com a quinta gravidez que as coisas começam a alterar-se. O bebé desenvolve-se dentro de Harriet demasiado cedo e com demasiada violência. Após um nascimento difícil, Ben revela-se uma criança estranha e cruel, cuja violência é instintivamente rejeitada pelos irmãos.
Inexoravelmente, a sua presença alienígena vai destruindo o sonho de uma família feliz.
 
 


2 comentários:

Miguel Pestana disse...

Não conhecia Lessing no registo que descreve aqui, neste livro.

O único que li da autora foi "Gatos e mais gatos", realmente não tem nada a ver com este.

Eu gosto de autores assim, polivalentes. Reservam aos leitores surpresas.

Denise disse...

Olá Miguel :)
Também este é o único livro que li da autora, até hoje, mas sei que o seu registo difere bastante noutros livros.
Este livro foi, sem dúvida, uma surpresa. Estou curiosa para ler outros e formar uma opinião mais consistente da autora.
Obrigada pelo comentário e boas leituras!