quarta-feira, 5 de setembro de 2012

O Amor (Marguerite Duras)


 
A leitura deste pequeno livro permite-nos chegar à velha certeza do amor: a sua incerteza. Complexo? Sim, duplamente complexo. Árduo, injusto, pesado… enfim, o que se poderá dizer do sentimento mais almejado e paralelamente mais malogrado?
É sem dúvida uma leitura sem chão, de sentimentos dispersos, mas não por isso mais leves. Eu diria, exactamente por isso, mais pesados… mais carregados de um medo impossível de definir. Medo de perda. Medo do finito. Medo de um relógio de pilhas no seu término.
Uma praia cuja água há muito não reflecte nada de novo…
 
 
Sinopse em www.wook.pt: Marguerite Duras é um dos mais significativos nomes da literatura francesa e tem colaborado estreitamente com o cinema. Títulos como «Hiroshima, Meu Amor», «Moderato Cantabile» ou «O Amante» são bem conhecidos do público português. «O Amor» é um dos textos mais enigmáticos e fascinantes das obras de Marguerite Duras.
 
 
 


Sem comentários: